segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

CRÍTICA: Kick-Ass: Quebrando Tudo [2010]


(Obs: qualquer semelhança da crítica do filme com a da série em quadrinhos NÃO é mera coincidência).

Faz um bom tempo que venho querendo fazer um review de "Kick-Ass" para o Bar. Já havia assistido o filme na mesma época que ele estreou, mas em uma qualidade ruim, e que, apesar de dar para entender a maior parte, não era a versão mais apropriada (além de que me faltou tempo na época, com provas e muitas atividades juntas). Felizmente consegui tempo para poder vê-lo novamente (e escrever a crítica), e digo apenas uma coisa: LET'S KICK SOME ASS AROUND, MOTHAFUCKAS.

"Kick-Ass: Quebrando Tudo" é o nome da adaptação cinematrográfica das HQs homônimas "Kick-Ass", feitas por Mark Millar e John Romita Jr. (cultuadíssimos nomes no ramo) e conhecidas pela sua violência, sangue excessivo (meio "Kill Bill" nesse quesito), linguagem inapropriada e muitas polêmicas, como uso de drogas, menores portando armas de fogo, bullying, sexo e outras coisas a mais. E o longa não ficou devendo em nada para a obra original: sangue, violência, drogas, palavrões... Está tudo como deveria estar, de forma explícita e que faz valer de verdade a indicação para maiores de 18 anos.

A história é sobre Dave Lizewski, um típico adolescente fracassado estadunidense (daqueles mostrados em filmes) que, como sempre, gosta da garota mais bonita e gostosa do colégio. Ele não o cara mais inteligente, mas nem o mais burro; não é o mais forte, mas também não é o mais fraco; não o mais bonito, nem o mais feio. Tirando o fato de ser fracassado, ele é como os adolescentes de hoje em dia: vai no Youtube, baixa músicas, conversa com os amigos pelo MSN, etc. Mas ele é apaixonado por revistas em quadrinhos, e, um dia, pergunta a seus amigos: "Por que ninguém nunca tentou ser um super-herói?". Os amigos de Dave, então, dizem que, se alguém tentasse, será morto no mesmo dia. Mas o jovem não tirou essa idéia da cabeça, até que, um dia, ele mesmo decide vestir uma roupa e sair pelas ruas combatendo o crime. E é aí que começam os problemas, com Lizewski se ferrando lindamente em sua primeira tentativa de deter criminosos. Mesmo assim, ele é brasileiro e não desiste, e acaba conhecendo outros vigilantes. O resto fica pela conta de vocês para conferir, e tenho certeza que não se decepcionarão, com a ótima trama desenvolvida daí pra frente, cheia de ação e drama (em algumas partes). Fãs da obra original não gostarão do final, e já direi o porquê.

Ótimas e sólidas atuações vindas tanto dos atores jovens quanto dos veteranos, onde todos entraram para o espírito da coisa e interpretaram muito bem, dando à seus personagens tudo o que era necessário e um pouco mais. Destaques para a jovem Chloë Moretz, que simplesmente detonou como Hit-Girl, sendo a maior surpresa do filme (ao menos para mim); Nicolas Cage, provavelmente em sua melhor atuação na carreira (ou ao menos recentemente); Christopher Mintz-Plasse, que se encaixou perfeitamente no papel de Red-Mist (algo bem diferente do hilário McLovin de "Superbad"); e Aaron Johnson, outro que ficou muito bem como Kick-Ass.

Hit-Girl, ainda mais absurda e fo#@stica.

Os efeitos especiais de Kick-Ass são ótimos, com muitas explosões, sangue e alguns absurdos a mais. O melhor momento é quando o filme vira um FPS com a visão de Hit-Girl no escuro, apenas com o auxílio de "Night Goggles" (óculos de visão noturna), e a garota sai matando todos, sem errar praticamente nenhum tiro. Also, a maquiagem realizada é muito realista, com ferimentos e queimaduras que chegam a impressionar pela sua qualidade. Especialmente os dos personagens principais, nas cenas de ação próximas ao fim da história.

A trilha sonora do longa é muito boa, especialmente com a inclusão de músicas como Crazy, de Gnarls Barkley; e Bad Reputation, de Joan Jett (apesar de que a primeira não está no disco oficial e a segunda está, mas em uma versão que não é a original... Mesmo assim, elas são tocadas no filme). E os efeitos sonoros também foram bem-trabalhados, sendo todos realistas e marcando várias sequências, especialmente as que tem algum tipo de combate.

Agora sim, falarei sobre o ponto mais polêmico da película: o final. Mas, se você não quer ler SPOILERS (filme e HQ), pare e vá para o último parágrafo. Caso contrário, entenda o que quis dizer anteriormente:

[INÍCIO DA ZONA DE SPOILERS]

Modificar o fim dos quadrinhos nesta adaptação não foi uma idéia muito boa. Primeiro que ter dado a mãe de Hit-Girl como morta já ferrou com a provável sequência, Kick-Ass 2, onde ela está viva e cria sua filha junto com Marcus, amigo policial de Big Daddy (por enquanto não é nada importante isso, mas pode ser que seja nas próximas edições, e com certeza mudarão a história quando adaptarem). Dave ter ficado com Katie também complica para o próximo filme, até porque o próprio promete a sua namorada que pararia de apanhar "lutar" contra o crime neste primeiro e também porque isso não acontece na HQ, onde ela rejeita o garoto após saber a verdade e ele ainda apanha na escola por se declarar. Mas o final ainda foi satisfatório, para mostrar um lado "what if" da trama original. Com a grande exceção de uma coisa: a JETPACK. CARA, MAS QUE P%**@ É AQUELA?! Coisa mais GTA: San Andreas isso! Totalmente desnecessário, e ainda por cima, sem noção. Para mim, o grande erro dos roteiristas, dos produtores, do diretor, e consequentemente, da adaptação :/

[FIM DA ZONA DE SPOILERS]

Kick-Ass: Quebrando Tudo pode ter falhado em sua conclusão em alguns aspectos, mas ainda assim é uma das melhores adaptações de "comic books" já feitas até agora. Muito fiel à obra original na maior parte da trama, temos aqui uma verdadeira aula de ação, violência, palavrões, atividades ilegais e absurdos que só podem ocorrer em obras fictícias. Somado a isso, temos ótimas atuações, bons efeitos especiais e maquiagem, trilha sonora interessante e efeitos especiais realistas. O que já era ótimo no papel também ficou muito bom nas telas, e eu recomendo assistir o filme antes de ler os oito volumes originais, para ficar evitando comparações injustas. Até porque nenhum filme adaptado sai 100% perfeito, mas Kick-Ass conseguiu ser pelo menos 85%.

NOTA: 9,0

ELENCO:
Aaron Johnson (Dave Lizweski / Kick-Ass)
Garrett M. Brown (Mr. Lizewski)
Elizabeth McGovern (Mrs. Lizewski)
Nicolas Cage (Damon Macready / Big Daddy)
Chloë Moretz (Mindy Macready / Hit Girl)
Mark Strong (Frank D'Amico)
Christopher Mintz-Plasse (Chris D'Amico / Red Mist)
Lyndsy Fonseca (Katie Deauxma)
Yancy Butler (Angie D'Amico)
 
TRAILER (RATED R):
 

YOUR LITTLE BASTARD!

Um comentário:

  1. kick ass. the better :D
    curti mt a hit girl no filme
    ahuauhauhahua

    ResponderExcluir