sábado, 31 de dezembro de 2011

O Último Post do Ano 3: Livin' on the edge

Mais uma vez eu estou aqui para falar do meu ano. O Gabriel/Gabe/Xageb/whatever foi quem começou essa tradição, e, como é algo interessante e ninguém lê essa porra mesmo, darei a devida continuidade. Mas tenho que assumir: falar sobre o que aconteceu durante um ano é uma tarefa difícil. São tantos momentos, memórias, pessoas, lugares, músicas... Complicado lembrar de tudo e não cometer nenhuma injustiça. Tentarei fazer um  resumo de tudo da maneira mais sintetizada possível.

Serei franco com vocês: 2011 NÃO FOI o melhor ano da minha vida. Passei por maus bocados em diversos momentos, não me senti bem comigo mesmo durante meses, o ambiente não me favorecia. Algo inevitável aconteceu, e eu sabia que seria um pouco difícil no começo, mas nem tanto. Aliado a outras circunstâncias, eu não estava feliz, apesar de não parecer. Eu acho que tudo isso se refletiu em minhas postagens e meu desempenho aqui no Bar, onde estive mais ausente do que no ano passado, não cumpri algumas promessas e tudo mais. Faz parte da vida isso.

Mas, apesar de não ter sido o meu melhor ano, também foi longe de ter sido o pior. Fiz algumas coisas fantásticas, presenciei ocasiões únicas, conheci pessoas especiais, intensifiquei minhas amizades, passei a dar mais valor a vários elementos. Eu me fortaleci como ser humano, acima de tudo. E tenho que dizer: muitas dessas situações nem passavam pela minha cabeça no dia 1 de janeiro de 2011. O elemento "surpresa" acabou sendo deveras importante durante os meses que se passaram, e eu sou grato a isso. Mudanças também foram marcantes, e dessa vez elas vieram de forma diferente. Mas, acima de tudo, percebi algo: eu nunca caminharei sozinho.

Quero agradecer a todos que estiveram ao meu lado neste ano. Amigos, família, companheiros, aqueles que não via há tempos, aqueles que conheci recentemente, aqueles com quem não converso faz dias, semanas, meses... Não importa. Cada um de vocês fez parte desse ano, das mais diversas formas, mesmo que não saibam. Obviamente sou mais grato a alguns do que a outros, mas não citarei nomes, não dessa vez. O importante é que os que lerem percebam por si mesmos o que quero dizer.

E 2012 está aí. Será um ano lendário. Sonhos se realizarão, boas surpresas acontecerão, momentos épicos viveremos, mais unidos do que nunca estaremos. Desejo a todos paz, amor, saúde, dinheiro, felicidade, sorte e, claro, MUITO ROCK N' ROLL! Não podemos prever o futuro, então só me resta esperar pelo melhor. E eu sei que o melhor ainda está por vir, para cada um de nós.

Ah, fim do mundo em 2012? Acho que não. O céu pode esperar por outro dia.

Anotações - Nº 20: 12 months, 12 songs

Estamos no último dia do ano. Os outros 364 já se passaram, e se valeram a pena ou não, vai acordo com o que cada um de nós acha. Mas cada um deles se foi com uma memória diferente, bem como um significado e, ainda mais que isso, uma música diferente. Sim, a música está diretamente ligada com nossas vidas, independente de sua percepção. Elas sempre marcam os momentos importantes e os não-importantes também. Está em todos lugares, o tempo todo, tornando tudo agradável, ou não. Questão de perspectiva.

Como sabem, sou um cara que gosta de boa música. Pensando nisso, decidi postar na minha última Anotação  deste ano as 12 músicas que marcaram meu 2011, uma para cada mês, e tendo significados diferentes em minha vida de acordo com as situações que eu passava. Quem me conhece sabe que algumas são bem óbvias, mas outras nem tanto. Quero ver vocês descobrirem todas.

Janeiro: The Doors - Break On Through (to the Other Side)

Fevereiro: Huey Lewis & The News - The Power of Love

Março: Iron Maiden - When The Wild Wind Blows

Abril: Metallica - Fade To Black

Maio: Gary Moore - Still Got The Blues

Junho: Oasis - Little By Little

Julho: Helloween - I Want Out

Agosto: Whitesnake - Fool For Your Loving

Setembro: Judas Priest - A Touch of Evil

Outubro: AC/DC - Shoot to Thrill

Novembro: Oasis - Live Forever

Dezembro: Foo Fighters - Walk

Agradecimentos especiais ao Oasis e ao Whitesnake, as duas bandas que mais marcaram meu ano.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

BAR OBI-WAN AWARDS 2011: Os melhores do ano!

Esta é uma postagem que deveria ser feita desde os primórdios deste blog. Mas eu nunca pude, por razões pessoais. Desta vez, porém, a história foi diferente, e finalmente poderei executar algo que sempre planejei... BEM VINDOS AO BAR OBI-WAN AWARDS! Uma lista feita por mim com o que achei que teve de melhor neste ano. Muitos irão discordar de minhas escolhas, mas já sabem: nem sempre é possível agradar a todos. Enfim, vamos logo ao que interessa...

Álbum do Ano: FOO FIGHTERS - WASTING LIGHT

A escolha para esta categoria foi certamente difícil, pois tivemos em 2011 vários lançamentos de altíssima qualidade que se encaixariam perfeitamente aqui. "TH1RT3EN" do Megadeth, "High Flying Birds" do Noel Gallagher, "I'm With You" do Red Hot Chili Peppers, "Suck It and See" do Arctic Monkeys, "Chickenfoot III" do Chickenfoot, "A Dramatic Turn of Events" do Dream Theater, "The World Is Yours" do Motörhead, "Don't Explain" da incrível parceria entre Beth Hart e Joe Bonamassa... Mas acho que nenhum destes se equiparou ao lançamento mais recente do Foo Fighters, "Wasting Light". O som de 3 três guitarras, uma pegada mais pesada, uso de alguns vocais mais voltados ao gutural, a participação do baixista Krist Novoselic (ex-Nirvana), tudo isso garantiu um CD fantástico, um dos melhores (e se me permitem dizer, o melhor) do grupo liderado por Dave Ghrol. Dentre as músicas que se destacam, temos "Rope", "Walk", "White Limo", "Bridges Burning", "Dear Rosemary" e "Arlandria". Vale a pena escutar várias e várias vezes.

Game do Ano: BATMAN: ARKHAM CITY

MIMIMI SKYRIM, MIMIMI MODERN WARFARE 3, MIMIMI UNCHARTED 3, MIMIMI BATTLEFIELD 3. OK, todos esses são jogaços, especialmente o "Skyrim" (then it got an arrow to the knee). Mas o grande fato é: eu já vinha falando que "Batman: Arkham City" seria o GOTY fácil. E realmente, não me desapontou em segundo algum, tendo todos os elementos que tornaram "Arkham Asylum" o melhor jogo já feito sobre um herói e acrescentando muito mais história, melhorando os gráficos, corrigindo alguns pequenos erros, aperfeiçoando a jogabilidade, tendo extras muito mais interessantes. Ainda conta com a presença da Mulher-Gato, Robin e o Asa-Noturna como personagens jogáveis para míssões próprias e trajes alternativos para todos, tudo isso via DLCs. E para melhorar ainda mais, existem muitas missões secundárias espalhadas pela gigantesca Arkham City, e a trilha sonora é de primeira. Enfim, é praticamente um "GTA Batman", não tem como ser melhor. Rocksteady diz: CHALLENGE ACCEPTED

Filme do Ano: HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE - PARTE 2

Tenho que assumir que não assisti a uma grande parte dos bons lançamentos do ano até agora, então pode ser que esta não seja a escolha certa. Porém, o valor sentimental que a última adaptação de "Harry Potter" tem para mim e vários outros fãs o coloca no topo facilmente. Mesmo quem não curte muito os filmes da saga tem que assumir que este foi o melhor filme e o encerramento ideal da história, com as melhores atuações por parte do elenco, as sequências mais emocionantes e um desfecho praticamente intocado (finalmente). Nada mais justo do que escolhê-lo para esta categoria. Haters gonna hate

Série do Ano: THE BIG BANG THEORY

"Two and a Half Men", "How I Met Your Mother", "The Walking Dead", "House", "Game Of Thrones"... Todas séries fantásticas. Mas "The Big Bang Theory" atingiu seu ápice neste ano, com seus episódios mais engraçados e criativos. Sheldon está cada vez melhor e mais pirado, e é com toda certa um dos personagens mais engraçados que o mundo já viu nos últimos anos. A química entre o elenco também está fantástica, e a adição de Amy Farrah Fowler deu novos ares ao programa. Merece, e muito, estar aqui.

Show do Ano: AC/DC - LIVE AT RIVER PLATE

O AC/DC deu uma verdadeira aula sobre como dar um show. Uma produção gigantesca e extremamente bem feita, um som simples porém perfeitamente executado, músicos de categoria e cheios de energia, e uma platéia fenomenal, coisa só vista em países sulamericanos. Ver uma banda formada por senhores entre 50 e 60 anos de idade fazendo o que este quinteto fez (e continuará a fazer por muitos anos, espero) é algo fantástico, tocando clássicos como "Back In Black" "Highway To Hell" e "Thunderstruck" junto com canções mais recentes como "Rock N' Roll Train" (do álbum "Black Ice") de maneira impecável. Destaque total para Angus Young, que provou estar perfeitamente em forma, solando, pulando e todas as maluquices mais que ele sempre fez. Puro Rock N' Roll!

Clipe do Ano: MEGADETH - PUBLIC ENEMY Nº 1


Chimpanzés, perseguições de carro, tiroteios, fugas, explosões e mais uma música do c*ralho do Megadeth. Não preciso dizer mais nada, né?

Trailer do Ano/Filme mais esperado de 2012: THE DARK KNIGHT RISES


Fiquei muito em dúvida entre colocar este ou o do Hobbit aqui... Mas esse filme promete, DEMAIS, e o Batman leva mais uma categoria aqui. Um dos trailers mais empolgantes que já vi nos últimos anos, de explodir cabeças mesmo. E "The Dark Knight Rises" tem tudo para ser O filme de 2012, especialmente pelas aparições de Bane e da Mulher-Gato. Aguardemos.

Game mais esperado de 2012: TOMB RAIDER: TURNING POINT


Lara Croft, a eterna musa dos video-games, está de volta, em uma aventura que me parece mais promissora do que nunca. Os produtores optaram por dar um reboot na série, e este game seria justamente usado para explicar as origens da personagem, em sua primeira missão. Elementos de sobrevivência e gráficos extremamente realistas provavelmente serão implementados, e "Turning Point" tem tudo para se tornar uma versão de Uncharted com uma protagonista feminina. Assim espero, também.

A Decepção do Ano: METALLICA & LOU REED - LULU

Se tratando de Metallica, a maior parte dos fãs esperam por algo no mínimo ao nível do "Kill 'Em All". Quando foi anunciada a parceria entre a banda e Lou Reed, ex-Velvet Underground com um histórico não muito favorecedor, os fãs ficaram com opiniões divididas, mas todos esperavam pelo melhor. Com a divulgação do single "The View", muitos não queriam admitir a estranheza que a música causou (eu incluso). Mas com o lançamento do álbum "Lulu", a decepção foi inevitável. As músicas são desarmônicas, com vocais medonhos de Reed, repetitivas, com um péssimo uso do talento de músicos do nível de Kirk Hammett e James Hetfield, letras bizarras... Enfim, resultado desastroso. Antes fosse Hetfield como vocalista principal e o resultado seria totalmente diferente, como pudemos conferir recentemente nas canções do EP "Beyond Magnetic". Mas como isso não aconteceu, merece, e muito, estar aqui.

E isso é tudo. Espero que tenham gostado das escolhas, e reclamações nos comentários são sempre bem vindas :)

domingo, 25 de dezembro de 2011

FELIZ NATAL!


Olá, meus caros leitores! Sei que não tenho postado muito por aqui, e serei sincero: preguiça, and it sucks. Mas não irei sumir (ao menos não por enquanto), e, nós próximos dias, farei ao menos mais dois posts. E tem uma notícia, não muito agradável, vindo por aí, só que a darei quando achar que for melhor...

Enfim, hoje estou aqui por uma nobre causa. Quero desejar um Feliz Natal a todos vocês, leitores, e espero que esta festividade tenha sido do melhor jeito possível para cada um de vocês. Sei que a postagem veio tarde, mas o que importa é a intenção, não é mesmo? Que vocês tenham ganhado bons presentes, se entupido de ceia e almoço natalino, e o mais importante, passado por bons momentos com sua família ou as pessoas queridas com quem você escolheu para celebrar ao seu lado. May the force be with you, guys and girls o/

FELIZ NATAL A TODOS!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Anotações - N° 19: Obrigado, Guitar Hero!

OK, esta certamente pode parecer uma postagem idiota, infantil, ou seja lá o que mais. Só que é um fato imenso para mim, e creio que para diversas outras pessoas da minha idade também. Portanto, sei que vários se identificarão com o que escreverei aqui, e consequentemente me entenderão.

Tudo nos remete há alguns dias atrás. Estava sem o que fazer, ou melhor dizendo, sem o que JOGAR (malditas atualizações do X360! ¬¬). Procurando por algo, eis que me deparo com meu guitar controller, no lugar onde ele sempre esteve: em cima do meu console. Por algum motivo, ele estava lá, parado, não tocado há meses, e eu, apesar de sempre vê-lo, não o dava atenção. Mas, na falta, por quê não? Conectei ele na entrada USB do video-game, tirei o DVD que estava lá dentro (FIFA 11, acho), e coloquei... Rock Band 3. Sim, totalmente irônico, a franquia que rivalizou com Guitar Hero praticamente desde os primórdios me fez lembrar de seu rival. Mas isso não vem ao caso agora, e fica para outra hora.

Passada a animação de abertura, menus iniciais e tudo mais, eis que me deparo com uma setlist imensa, composta por mais de 80 músicas. Vou passando por cada uma delas, procurando por uma boa e não tão difícil para jogar, depois de tanto tempo parado. Escolho Bohemian Rhapsody, logo entre as primeiras. Apesar de esperar um tempinho até a parte da guitarra começar, acabo me divertindo, como há tempos não fazia. Decido então dar uma olhada no resto da lista, para refrescar um pouco a memória. Algumas canções não deveriam estar ali, como "Rehab" da Amy Winehouse ou "Get Up, Stand Up" do Bob Marley (ROCK Band, porra), mas os clássicos do Rock ainda dominam, especialmente os da década de 1980.

Porém, 3 músicas em especial me chamaram a atenção. São elas "I Love Rock N' Roll" da Joan Jett, "I Wanna Be Sedated" dos Ramones e a clássica "Smoke on the Water" do Deep Purple. Senti-me na obrigação de jogá-las, e assim fiz, conseguindo ainda boas pontuações nelas (pra quem não jogava fazia meses é um bom sinal). A sensação foi boa, não posso negar, mas não foi a mesma coisa. Mas do que estou falando, e por que justamente essas 3? Simples, muito simples: elas faziam parte do repertório do primeiro Guitar Hero, justamente 3 das primeiras 5.

Ah, Guitar Hero 1. Me lembro muito bem dele. Férias de 2006/2007, o ganhei junto com o Guitar Hero 2 de Natal, pro meu velho PS2. Foi vício na certa, com aquela trilha sonora repleta de clássicos e algumas músicas que eu conhecia, apesar de serem quase todos covers dos artistas originais. Mesmo assim, eu era nulo em conhecimentos musicais na época, então a cada nova música liberada era uma novidade. E sempre mais diversão, junto com aquela jogabilidade simples e envolvente e aqueles personagens caricatos e carismáticos (que eu mal via enquanto jogava). Meu, eu precisava mostrar aqui pros meus amigos.

E assim o fiz. Todos ficaram maravilhados com a descoberta, compraram suas cópias... Enfim, viciei todo mundo também. E a galera foi melhorando junto, o que era bom, pois havia alguma concorrência. Acabei progredindo muito rápido, em menos de 3 meses já estava jogando no Expert (sendo que comecei no Easy e só avançava depois de fazer 5 estrelas em tudo). Mas encontrei alguns competidores a altura, talvez até melhores que eu. Não importa, pois todos sempre nos divertiamos bastante. Se tornou um hábito o pessoal se reunir na casa de alguém, independente do motivo, e ficar jogando horas e horas de Guitar Hero. Era sensacional, e ainda melhor que jogar sozinho.

Ao mesmo tempo, estava gostando cada vez mais das músicas que faziam parte dos jogos. Como disse, apesar de conhecer algumas delas, grande parte ainda novidade. Assim, ia pesquisando sobre as bandas que compuseram as minhas favoritas, lendo sobre suas histórias, conhecendo outras de suas canções famosas, baixando CDs. E conheci ontras bandas que ainda não estavam presentes nos games, como AC/DC, Metallica e Led Zeppelin, do mesmo modo que me aprofundava nas que já tinha algum conhecimento, como Queen, Iron Maiden, Ozzy Osbourne e Black Sabbath. Começava a construir um pequeno arsenal musical, que com o tempo se tornaria algo que nunca poderia imaginar. Mais do que isso: nascia ali uma paixão por música, sobre tudo pelo Rock.

O tempo foi passando, novos lançamentos aconteceram, conheci novas bandas, Rock Band apareceu (e roubou o posto de "jogo musical favorito"), comprei meu primeiro guitar controller (genérico, e que hoje tá totalmente ferrado), milhões de pessoas pelo mundo conheceram Guitar Hero... E a febre entre meus amigos começou a passar. Depois de um ano, poucos ainda jogavam de forma quase religiosa como eu, mesmo sendo o jogo do momento e todo mundo conhecendo. Outros jogos ganhavam mais destaque, especialmente Winning Eleven/PES, que vinha voltando a evidência com tudo (na verdade, nunca havia saído, apenas perdeu espaço). Mesmo assim, continuei acompanhando a série a cada novo lançamento, sempre em busca de alguma novidade e, claro de diversão...

Hoje o vício morreu pra todo mundo. Poucos ainda jogam Guitar Hero ou Rock Band, somente em ocasiões especiais, como fim de reunião entre amigos ou festas em buffets que tenham os instrumentos de plástico. Não sou nem sombra do viciado que fui um dia, aquele mesmo que conseguiu passar músicas como "Misirlou", "Jordan", "Bark at the Moon", "Holiday In Cambodia" no controle, ou "One", "The Number of the Beast", "Satch Boogie", "B.Y.O.B." no guitar controller. Mas uma coisa ficou: o amor pela música, o conhecimento adquirido, a razão por eu começar a tocar guitarra, os mais de 60 GB de CDs baixados no meu HD e, principalmente, os bons momentos, seja com os amigos, a família ou sozinho.

Obrigado, Guitar Hero, por tudo o que me proporcionou e ainda pode proporcionar. Não imagino como seria minha vida se nunca tivesse conhecido esse jogo, mas certamente tudo seria muito diferente... Enfim, "You Rock"!

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Chelsea 1 x 2 Liverpool: MAXI IS FOR SALE!


Há quanto tempo eu não fazia um texto comentando uma partida de futebol. Não por falta de partidas, nem por falta de tempo, e nem por falta de vontade. Mas acasos do destino sempre me impediam de realizá-los... OK, eu esquecia, toda vez. Felizmente, estou de volta, e acredito que não havia momento melhor para retornar do que neste último jogo do Liverpool, contra o badalado Chelsea, rivais diretos em busca de uma tão sonhada vaga de retorno a UEFA Champions League, competição a qual o maior campeão europeu da Inglaterra não participa desde a última temporada.

O cenário da partida era o seguinte: do lado dos anfitriões estava o Chelsea, equipe recheada de estrelas como Drogba, Mata, Lampard, Cech e Terry, liderados por André Villas-Boas, o técnico do momento, e que contratou dois jogadores do time de Merseyside nas últimas duas janelas de transferências: Raul Meireles e Fernando Torres (curiosamente ou não, ambos marcaram os gols da vitória nos dois confrontos anteriores, que terminaram com os Reds na frente). Enquanto isso, do lado dos visitantes, o Liverpool, que vem passando por um período de reformulação do elenco e teve algumas caras e polêmicas contratações, as quais não tem agradado uma boa parcela dos torcedores pelo o que mostram em campo.

Ambos vinham de resultados inesperados: o Chelsea de uma vitória extremamente suada contra o Blackburn (atual vice-lanterna), enquanto o Liverpool empatou em casa de forma pífia contra o Swansea (recém-promovido da n-Power Championship pela repescagem) na última rodada. A diferença na tabela era a de apenas 3 pontos e 2 posições. Portanto, a vitória parecia a única alternativa para os dois lados. E aí já sabem, né? Que vença o melhor.

O cenário da partida, no geral, me lembrou muito ao da última visita ao Stamford Bridge.Os Blues começaram pressionando por todos os lados, quase chegando ao gol em algumas oportunidades, enquanto o time visitante levava perigo em contra-ataques, especialmente com Bellamy, Suárez e Kuyt. Mas esse ritmo não durou muito tempo, e o Chelsea foi logo perdendo forças. Até que, por volta dos 30 minutos, em um erro na saída de bola, Charlie Adam roubou a posse do nigeriano Mikel, bem próximo da pequena área, e então tocou para Bellamy, que tocou para Suárez, que tocou para o galês novamente, que tocou para Maxi Rodríguez, que tocou... para o fundo das redes. Gol do Liverpool, após uma fantástica jogada. E este placar se seguiu até o intervalo, em um ritmo semelhante.

"Lionel Maxi", decidindo a primeira etapa.

Voltando do intervalo, Villas-Boas fez uma substituição inusitada: Sturridge por Mikel. Mas surtiu efeito, pois os londrinos voltaram com mais gás ao jogo, pressionando novamente e tendo a posse da bola. Até que, aos 55 minutos da partida, um rombo no sistema defensivo deixa Malouda livre para se infiltrar na área e cruzar rasteiro. Para quem? STURRIDGE! E o Liverpool se perdeu por um tempo. Dalglish então fez duas substituições fundamentais: Henderson no lugar de Bellamy e Downing no lugar de Maxi, pois ambos já estavam sumidos. E estas também surtiram efeito, dando mais agilidade e efetividade ao Liverpool no segundo tempo. Tanto é que o jovem meio campista ainda completou uma bela jogada pela direita, sendo que a chance de gol foi desperdiçada por Dirk Kuyt. Tempos depois, Torres e Meireles vieram para a partida. E ela continuava empatada, enquanto os torcedores perdiam as esperanças... Até que, aos 87 minutos, Adam fez um lançamento milimétrico para Glen Johnson, que estava livre e sozinho pela direita. O lateral deu um lindíssimo drible em Ashley Cole, e avançou para a pequena área, ficando de cara com Petr Cech. E finalizando. Um verdadeiro golaço. Tudo o que os Reds precisavam era segurar o o resultado pelos 6 minutos restantes, e foi o que aconteceu.

Uma boa vitória, com o time jogando bem e se defendendo de maneira fantástica. O destaque, em minha opinião, vai para Skrtel, que foi impecável, melhor até mesmo que Agger. Outros que merecem citações são Lucas, Adam, Bellamy e Henderson, que foram essenciais para o resultado. Especialmente a dupla de meio-campistas centrais, com o brasileiro em mais uma atuação incrível (pra mim, nosso melhor jogador atualmente) e o escocês dando passes e lançamentos geniais, recuperando a posse e levando um certo perigo nas bolas paradas (apesar de não ter ido tão bem neste requisito). Apesar da forma inconstante até agora, ainda acredito, e muito, em uma vaga na Champions League 2012/2013.

OK, Abramovich comprou os dois autores dos gols das duas últimas vitórias do Liverpool contra o Chelsea nas janelas de transferência anteriores... Será que ele não está afim de comprar Maxi + Glen Johnson por, sei lá, uns £500 milhões? :)

MELHORES MOMENTOS:



E, para não perder a tradição:



FUCK OFF, CHELSEA FC
YOU AIN'T GOT NO HISTORY
5 EUROPEAN CUPS AND 18 LEAGUES
THAT'S WHAT WE CALL HISTORY ♫

YOU'LL NEVER WALK ALONE

YEAH, KING KENNY!

sábado, 12 de novembro de 2011

OFICIAL: Black Sabbath está de volta!


Lendas, mitos, semi-deuses. É assim que podemos definir os membros originais do Black Sabbath: Ozzy Osbourne, Tony Iommi, Geezer Butler e Bill Ward. E sim, merecem essa definição, pois sem eles, meus caros, não existiria Metal algum no mundo da música, ao menos não do jeito que conhecemos hoje. A banda passou por alguns periodos conturbados e, apesar de nunca ter deixado de existir, já não conta com sua formação clássica desde 1979. Tentativas de reunião aconteceram durante a história, mas todas fracassaram devidos a intrigas internas entre os membros (mais especificamente entre Ozzy e os outros 3).

Mas ontem, dia 11/11/11, ocorreu algo mágico. E é com muito prazer que eu anuncio: O BLACK SABBATH ESTÁ DE VOLTA, COM SUA FORMAÇÃO CLÁSSICA! A divulgação aconteceu durante o programa inglês "Whiskey a go-go", e dessa vez parece que vai para frente, já que foi anunciado uma nova turnê mundial e um novo disco de inéditas, coisa que não acontecia desde "Never Say Die!", em 1978. Soltaram até um vídeo comemorativo, com um medley de músicas e cenas clássicas. Confira-o abaixo:


A primeira data confirmada é a de 10 de junho de 2012, como atração principal do Download Festival, na Europa. A turnê mundial começará logo em seguida, e ficarei no aguardo de novas informações :)

PS: certeza que eles vem pro Brasil!

Foto da reunião, tirada ontem.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Veja trailer final de Assassin's Creed: Revelations


Já fazem dois anos, mas parece que foi ontem que "Assassin's Creed 2" foi lançado. O título deu um novo rumo a série, com uma jogabilidade bem melhorada, uma história melhor construida, belíssimos gráficos e um protagonista mais carismático que Altaïr. Junto com isso, veio o sucesso entre os gamers e a esperada aclamação da mídia, que ficou decepcionada com a linearidade e repetição de seu antecessor. Tudo isso acabou rendendo uma sequência spin-off no ano passado, "Assassin's Creed: Brotherhood", que deu continuidade na trama de Ezio após os eventos finais de AC2 e garantindo mais melhorias necessárias, sendo outro jogo fantástico de se jogar.

E para concluir a trilogia do assassino de Florença, a Ubisoft preparou para este ano o capítulo final, "Assassin's Creed: Revelations", no qual Ezio ruma para a cidade de Constantinopla (atual Istambul, na Turquia), seguindo os passos de seu antepassado, Altaïr, que também será um personagem jogável em determinadas partes da trama. O novo e último trailer liberado pela empresa antes de seu lançamento mostra muito bem isso, com o personagem principal procurando respostas para suas dúvidas e, claro, diversas cenas violentas. Confira-o e entre no clima da expectativa:


"Assassin's Creed: Revelations" sairá no dia 15 de novembro para X360, PS3 e PC. PS: ele já vazou na net.

O negócio será intenso...

sábado, 5 de novembro de 2011

CRÍTICA: Megadeth - TH1RT3EN [2011]


Desculpem-me, mas vou falar: DAVE MUSTAINE É F*DA! O cara pode ter sido um grande drogado, ter se ferrado ao sair do Metallica, ter vivido na sombra de sua ex-banda por um tempo, ter uma voz engraçada que parece com a de um pato, mas também foi e ainda é um dos melhores compositores do Metal, bem como um grande instrumentista. Apesar de perdidos por um tempo, o Megadeth vinha se superando em seus trabalhos mais atuais: "United Abominations" e "Endgame" são certamente dois dos melhores trabalhos do gênero nos últimos anos. Por isso, a expectativa para "TH1RT3EN", o mais recente álbum do grupo, era extremamente alta.

E adivinhem só? Correspondeu a altura! Quando disse o que disse sobre Mustaine, não foi a toa, porque ele realmente é, e parece que ainda tem muito mais a oferecer. Junto com seus companheiros Chris Broderick, Dave Ellefson e Shawn Dover, conseguiram conceber um disco pesado, rápido, energético, incansável, superior aos dois anteriores. E digam o que quiserem, chorem ou sei lá mais o que, mas ele certamente está no Top 2 de lançamentos do ano, atrás somente de "Wasting Light", do Foo Fighters... Isso, claro, na minha opinião. Mas creio que já seja o suficiente para representar toda a qualidade e o poder de "TH1RT3EN".

O som é certamente de primeira. Como já disse antes, é pesado, rápido e energético, como qualquer disco de Thrash Metal deveria ser. E isso se repete pelas 13 faixas do play, que te deixam extremamente frenético a cada ouvida. Zoem a voz de Mustaine, mas ele está muitíssimo bem aqui, com um timbre mais grosso e poderoso. Como guitarrista, também está fantástico, criando riffs memoráveis e em total sincronia com Broderick, o que rendeu solos fantásticos em cada música. Ellefson e Dover cuidam muito bem da parte da cozinha, este último se mostrando um excelente baterista, ditando o ritmo com muita técnica e velocidade.

As composições são extremamente bem elaboradas, com, como já citado, ótimos riffs, solos e ritmo frenético. Coisa de quem sabe mesmo. Além disso, as letras merecem um destaque a parte. Todos sabem que o Megadeth sempre criou músicas extremamente críticas, que mostram sua insatisfação com o governo, as guerras, a alienação e tudo mais. Pois bem, aqui este fator não está nem um pouco diferente, talvez até um pouco mais agressivo, devido a toda a situação dos EUA atualmente e as atitudes de seu presidente, Barack Obama. Parece que isso até melhorou o clima em volta do som e tornou as músicas ainda agressivas. As que merecem mais destaque são "Sudden Death", "Public Enemy No. 1", "Whose Life (Is It Anyways?)", "Guns, Drugs & Money", "Never Dead" e "13", que deixam tudo o que eu disse bem explícito.

Em aspectos técnicos, não há nada do que se reclamar. A mixagem está ótima, todas as músicas tem seu áudio no talo, e os instrumentos, bem como a voz, estão praticamente no mesmo nível, o que garante sons estridentes para os solos, linhas de baixo que se destacam em certos momentos e uma bateria bem poderosa. A arte da capa também está bem trabalhada, apesar de simples, com destaque ao mascote da banda, Rattlehead. E só para constar: as músicas lançadas como singles até agora são "Public Enemy No. 1" e "Whose Life (Is It Anyways?)".

Com um poder fora do normal, Megadeth fez de "TH1RT3EN" um dos melhores lançamentos músicais do ano. Ele traz músicas fantásticas, um verdadeiro som de Thrash Metal, um grupo bastante inspirado, letras muito críticas e agressividade total. Certamente Mustaine deve estar rindo ao ver a parceira Metallica e Lou Reed fracassar com péssimo "Lulu", enquanto eles estão no topo com seu novo álbum. Só não darei uma nota mais alta por não ser algo revolucionário ou que deu novos ares ao quarteto, mas com certeza merece a que está logo abaixo, por esbanjar qualidade.

NOTA: 9,0

Dave Mustaine (guitarra e vocal)
Chris Broderick (guitarra e backing vocals)
Dave Ellefson (baixo e backing vocals)
Shawn Dover (bateria e backing vocals)

Tracklist:
01. Sudden Death
02. Public Enemy No. 1
03. Whose Life (Is It Anyways?)
04. We The People
05. Guns, Drugs & Money
06. Never Dead
07. New World Order
08. Fast Lane
09. Black Swan
10. Wrecker
11. Millennium Of The Blind
12. Deadly Nightshade
13. 13 

Singles:





A capa do single "Public Enemy No. 1".

Call of Duty: Modern Warfare 3 causa polêmica com cena divulgada


Incrível, eu sei, mas parece que a Activison e a Infinity Ward gostam de criar polêmicas (mas não tanto quanto mamilos). Em "Modern Warfare", havia uma cena onde diversos soldados morriam em uma explosão atômica. Em "Black Ops", a parte do túnel no Vietnã reproduzia as mortes de forma extremamente real. E em "Modern Warfare 2" temos o caso mais famoso: a fase "No Russian", onde o jogador se disfarça de terrorista russo e deve matar civis em um aeroporto, bem como policiais.

Pra quê isso? Não tenho idéia. Mas eles fizeram de novo. Em "Modern Warfare 3", há uma cena (provavelmente no início do game) onde um homem filma sua filha e esposa durante as férias da família, em Londres. Tudo parecia normal, até que um suspeito caminhão de presentes para na esquina da rua onde estavam. A garota se aproxima dele, pois vê pombos pela região e vai tentar assustá-los. Até que... BUM! Não acredita? Então assista-a agora mesmo:


Até entendo a causa da polêmica, pois, mesmo sendo apenas ficcional, causa um mal-estar e espanto nas pessoas, especialmente por envolver uma criança. Mas, sinceramente: antes acontecendo no mundo virtual do que no mundo real.

"Call of Duty: Modern Warfare 3" sairá daqui em 8 de novembro para X360, PS3, Nintendo Wii, NDS/3DS e PC. Porém, já vazou nas internets há quase uma semana.

"U.S. go home!", hahaha.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

ASSISTA AGORA O TRAILER DE GRAND THEFT AUTO V!


FINALMENTE! Depois de meses de apreensão, rumores, e tudo mais o que podia se esperar (ou não), a Rockstar divulgou o primeiro trailer de uma das sequências mais esperadas desde o fantástico último lançamento da série: GRAND THEFT AUTO V! Isso mesmo que você está lendo: a produtora lançou na rede as primeiras cenas de seu futuro GTA, evento que teve cobertura online direto da IGN.com. E pessoas do mundo todo simplesmente pararam tudo para conferir as últimas novidades, especialmente a grande incógnita: onde se localizará a história do novo game?

Eu já os adianto uma coisa: não será em Londres, como muitos pensavam. E, infelizmente, também não será em Vice City. Mas é uma localidade já conhecida não apenas pelos fãs, mas acho que para qualquer um que já ouviu falar da franquia. E existe um boato de que talvez já conheçamos o protagonista, que também vem de um dos jogos anteriores (era, inclusive, o principal de um deles). Não acredita? Então aperte play aí embaixo e confira com seus próprios olhos:



Sim, meus caros, GTA V se passará em San Andreas! Quer dizer, eu acredito que será entre as 3 cidades, apesar de o trailer se focar apenas em Los Santos, mas é o que estão dizendo em outros sites especializados. E o rumor sobre o protagonista é que ele será ninguém menos que Tommy Vercetti, o mafioso do saudoso GTA: Vice City. Faz sentido, se analisarmos o que é dito no vídeo e, especialmente, reparar no rosto do homem que aparece entre 0:39-0:42, que é, até agora, considerado o principal da trama. Mas enfim, tá aí, mesmo gerando novas dúvidas.

Felizmente, teremos todas as repostas sobre "Grand Theft Auto V" ano que vem, mesmo sem uma data de lançamento definida.

Vercetti: ele está de volta?

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Confira cenas do filme de Phoenix Wright: Ace Attorney!


Tenho que admitir que sou um grande fã da série "Ace Attorney", para Nintendo DS. Os cinco jogos lançados no Ocidente te colocavam na pele dos advogados Phoenix Wright e Apollo Justice, e do promotor Miles Edgeworth, através dos mais bizarros, porém divertidos e inteligentes, casos investigativos que eu já vi em toda minha vida, bem como as sequências dentro da corte, durante os julgamentos. Mas a notícia de que fariam um filme baseado nos games me deixou com um pé atrás, porque vocês sabem: é difícil sair coisa boa dessas adaptações.

Felizmente, parece que desta vez as coisas tomaram o rumo certo. O diretor Miike Takashi (conhecido no Japão por seus filmes violentíssimos) aparentemente fez algo que todos os fãs sempre esperaram: uma adaptação 100% fiel. Isso mesmo, fidelidade pura, tanto no roteiro, quanto na caracterização dos personagens e até mesmo nas maluquices como os famosos "OBJECTION"s, ditos por Wright. Para provar o que estou falando, assistam às cenas abaixo, que, apesar de estarem em japonês e terem bilhões de apresentadores falando ao mesmo tempo (¬¬'), não comprometem em muita coisa, pois uma imagem vale mais que mil palavras:


"Gyakuten Saiban", nome que a franquia tem no Japão e que também será o do filme, está previsto para ser lançado no dia 11 de fevereiro de 2012. Só na Terra do Sol Nascente, por enquanto.

Um banner da película, seja lá o que estiver escrito nele...

Halloween, the third: O Retorno


Yo, modafocas, how you doin'? Como de costume, aqui estou eu, em mais um ano para desejar um feliz Dia das Bruxas para todos vocês. Uma comemoração que, aqui no Brasil, praticamente não tem muita expressão, mas vem ganhando mais notoriedade a cada vez que ocorre (e, pra abrasileirar o negócio, criaram o "Dia do Saci" na mesma data). Enquanto que, nos Estados Unidos e na Inglaterra, é bem popular, com milhares de crianças nas ruas pedindo doces e cometendo travessuras com quem se recusa a entrar no espírito deste dia deveras especial para todos eles.

Esta tradição é muito forte nos dois países anglo-saxões, devida a suas raizes. As origens do Halloween são fortemente ligadas a cultura dos Celtas, povo que se encontrava na região da Grã-Bretanha e que era, acima de tudo, extremamente místico (o "Dia das Bruxas" vem justamente por causa disso: na época da Inquisição, os católicos condenavam os celtas por cultuarem deuses pagãos e os chamavam de bruxos/bruxas). Em outras regiões do mundo, até mesmo da Europa, a dia de hoje é usado para outras comemorações. Na Espanha, por exemplo, os mortos são relembrados (o que também tem a ver com as origens da data), enquanto na Tailândia as pessoas desfilam com máscaras e a imagem de Buda ao som de músicas tradicionais.

Mas apesar de toda a tradição, o verdadeiro sentido do Halloween acabou se perdendo na história, e hoje é mais usado como uma data para se conseguir doces, ir a festas e assustar as pessoas (o que também é muito legal). Enfim, feliz Halloween para todos vocês, muitas gostosuras e travessuras, cuidado com os fantasmas do passado e não se esqueçam: o apocalipse zumbi pode começar a qualquer momento! Para fechar, fiquem com a música logo abaixo... and feel the fear:


Halloween: Pedobear aproves!

domingo, 30 de outubro de 2011

Technical problems...

Olá, caríssimos leitores, como estão? Espero que estejam tão bem quanto eu... Então, estou estão escrevendo este post para explicar minha ausência nos últimos dias. Eu pretendia realizar muitas outras postagens no Bar durante este mês, mas aconteceu incidente inesperado: eu fiquei sem internet. E não foram por apenas 2 ou três dias, foi por mais de uma semana, que, ainda por cima, foi bem cheia e que não me deixaria realizar meu trabalho aqui.

Peço desculpas a todos, simplesmente não tenho culpa no ocorrido. Mas tentarei recompensá-los, realizando durante hoje e amanhã posts bacanas que certamente vocês gostarão! Por isso, aguardem ;)

domingo, 16 de outubro de 2011

CRÍTICA: Pink Floyd - Pulse [1995]


Imagine o show de Rock perfeito em todos os aspectos: som, produção, visual, música... Conseguiu? Pois bem, agora imagine o Pink Floyd realizando este show. Pronto, você agora tem noção do que é o "Pulse", gravado pela banda britânica em 20 de outubro de 1994 no Earls Court Exibihition Centre, em Londres, e que serviu  como show de despedida da banda, antes de ser desfeita oficialmente. Tudo o que você encontra aqui é lindo, psicodélico, maravilhoso: desde as canções executadas pelo grupo (na época já sem Roger Waters na formação) até o comportamento de cada cidadão que esteve presente na ocasião, realmente apreciando o que estava sendo apresentado.

Após assistí-lo, mudei totalmente minha visão sobre como se fazer um show de verdade. Este aqui é um épico dos épicos, que realmente ficou para a história. Muita gente diz isto, e você deve ficar se perguntando: "Mas será mesmo"? Sim, é, e respondo isso com toda a convicção do mundo. Simplesmente não existem adjetivos o suficiente para descrever "Pulse" no dicionário, e mesmo neste texto não conseguirei passar a sensação que temos ao assistí-lo. Mas farei o máximo possível para chegar perto disto.

Em aspectos técnicos, tudo perfeito. Destaque muito grande para o sistema de iluminação que, PQP, deu um show a parte conforme as músicas iam sendo executadas. Foi simplesmente a coisa mais psicodélica que já vi. Os telões também tiveram um papel fundamental no espetáculo, com fantásticos vídeos de fundo que se encaixavam perfeitamente com as composições. O palco em si era incrível, com uma estrutura colossal e vários níveis para os artistas se posicionarem. O Earls Court Exibihition Centre, local escolhido para a realização, também foi bem apropriado para ocasião, por ser uma espécie de teatro, o que fez com que o público pudesse assistir tudo confortavelmente das poltronas superiores e das mesas localizadas na pista.

No som, tudo igualmente perfeito. Todos os instrumentos estavam bem afinados e seus volumes bem regulados. Os músicos, como era de se esperar, estavam todos perfeitamente sincronizados, com uma performance absurda. Até mesmo os adicionais merecem um enorme destaque, pois tocaram cada música como se já tivessem anos do estrada com o Pink Floyd, pessoas de uma qualidade absurda. Destes, tenho que destacar o tecladista, que acompanhou de forma genial o já falecido Richard Wright (até roubou a cena em certos momentos), e as três "backing-vocalists", cujo melhor momento foi em "The Great Gig in the Sky", onde soltaram suas belíssimas vozes de uma forma extremamente fantástica.

O grande trunfo mesmo fica para a execução das músicas, bem como a escolha delas. Como disse anteriormente, todos estavam em uma sincronia fantástica naquele dia, e isso tornou as composições ainda melhores de serem ouvidas. Desde clássicos como "Shine On You Crazy Diamond", "Another Brick In The Wall (Part 2)" e o álbum "The Dark Side Of The Moon" na íntegra (sim, completinho e ao vivo), até algumas menos conhecidas como "Sorrow" e "Take It Back", elas foram tocadas de forma magistral, muito semelhante às versões de estúdio, mas com alguns toques especiais que só Gilmour, Mason e Wright seriam capazes de realizar ao vivo. Os músicos convidados, como também já dito, souberam se encaixar perfeitamente nas execuções, além de terem, inclusive, se mostrado bem carismáticos. E o mais legal de tudo foi que todos se propuseram e conseguiram com êxito realizar um setlist extremamente longo, com 22 músicas. Ao todo, são praticamente 2 horas e 30 minutos ininterruptas de show e uma performance incansável, bem como incomparável.

E tenho que, sem dúvidas, destacar o público. Apreciaram o grupo o tempo todo, sem atrapalhar ou fazer tumulto uma vez sequer. Também mantiveram-se sentados, só levantando para aplaudir e se despedir da banda. E ainda por cima cantavam junto quando necessário. Nada de briga, nada de tacar cadeiras, nada de depreciar o local. Um exemplo que multidões do mundo todo deveria seguir, não apenas do Rock, mas de qualquer estilo (especialmente aqueles que são conhecidos por serem menos "civilizados").

É, eu tentei, mas realmente não dá para transmitir a experiência de assistir "Pulse" através de um simples texto. Em suma, é o show perfeito, de uma forma que jamais será feita novamente (infelizmente). Escolha incrível da setlist, músicos de qualidade indubitável, som fantástico, telão e efeitos de luz dando um espetáculo a parte, público maravilhoso, e acima de tudo: Pink Floyd. Podem tentar, até conseguir um resultado semelhante, mas nenhum JAMAIS será equivalente ao que o grupo inglês fez nesta apresentação. É um "must-watch" para qualquer fã, seja da banda, de Rock ou de simples música boa. Tá esperando o quê para ir logo assistir?

NOTA: 10,0

Tracklist:
Shine On You Crazy Diamond
Learning to Fly
High Hopes
Take It Back
Coming Back to Life
Sorrow
Keep Talking
Another Brick in the Wall (Part 2)
One of These Days
Speak to Me/Breathe
On The Run
Time
The Great Gig In The Sky
Money
Us and Them
Any Color You Like
Brain Damage
Eclipse
Wish You Were Here
Comfortably Numb
Run Like Hell

Vídeos:





Perfeito demais, demais, demais...

sábado, 15 de outubro de 2011

2 ANOS DE BAR OBI-WAN!!!


2 anos... Oh God, JÁ se passaram exatamente 2 anos. 2 anos de alegrias, tristezas, diversão, amigos, colaborações, notícias, críticas, histórias, filmes, música, games, quadrinhos, parcerias... 2 anos nos quais minha vida mudou bastante, a do Gabriel mudou bastante, e a de vocês com certeza deve ter mudado bastante também. 2 anos de eventos importantíssimos, como a Copa do Mundo, Rock in Rio, Comic-Con, E3, VGAs e afins. 2 anos de certos problemas com a internet, preguiça, ausências do blog e poucas postagens em certos meses. Mas 2 anos com cerca de 36 mil visitas (e contando) no meu humilde Bar. E 2 anos que eu nem imaginava que poderiam ser alcançados.

Neste exato momento, há 2 anos atrás, estava realizando os ajustes finais neste blog e terminando de escrever a primeira postagem aqui. Era tudo bem simples, eu não manjava praticamente NADA do Blogger, mas beleza. Aliás, nem lembro ao certo o porquê de eu quer criar um blog, mas me parecia uma boa idéia, um passatempo interessante onde poderia compartilhar meus pensamentos e gostos. Já estava com a idéia faziam dias, mas faltava um nome. "Bar Obi-Wan" caiu muito bem, pois era algo um tanto nerd (local de um dos filmes de Indiana Jones que faz referência a um personagem de Star Wars) e inusitado (quantos bares nerds você já viu, ainda mais com um nome como este?). E assim foi. Com o tempo, minhas habilidades com textos e o design foram se desenvolvendo, criei uma padronização para minhas postagens, o Gabriel entrou como escritor, novos seguidores e parceiros apareceram... E o desenvolvimento foi enorme, coisa muito maior do que eu podia imaginar ao criar este espaço.

Um ano se passou desde aquele 15 de outubro de 2009, e fiz minha postagem de aniversário ao Bar. Foi algo certamente emocionante, afinal, era 1º ano completo de existência, e, ao meu ver, foi um ano bem sucedido, com várias postagens, cobertura da Copa do Mundo da África do Sul, os textos do "Diário de Bordo de Uma Vida Limitada" (que tocou o coração dos leitores, bem como das leitoras, hehe), críticas, notícias (algumas delas em primeira mão, inclusive), besteiras e tudo mais... A nossa ausência em meses como maio, junho e julho felizmente foi compensada em outros como agosto, novembro e dezembro. Mas nunca desistimos, mesmo nos momentos mais difíceis ou estando extremamente atarefados, arranjávamos algo tempo para escrever neste blog.

E os últimos 12 meses desde o 1º aniversário foram, certamente, de mudanças. Não quanto ao estilo do blog e suas postagens, mas sim às pessoas envolvidas a ele. O Gabriel criou seu próprio cantinho, o Labirinto Silencioso, onde compartilha textos e poemas de sua autoria (recomendo a visita), e também modificou drasticamente sua vida pessoal. Eu, por minha vez, passei por um dos momentos mais estranhos de minha existência e ainda sinto alguns resquícios dele, mesmo estando em dias melhores. De qualquer forma, sempre estivemos aqui, na medida do possível (e as vezes do impossível), para compartilhar as novidades com a galera e expormos nossas idéias e sentimentos. Foi um ano que poderia ser melhor para o Bar Obi-Wan em números, mas a dedicação certamente nunca faltou.

Gostaria de agradecer imensamente a todos vocês, leitores, sejam muitos ou poucos, que acessam este blog em busca seja lá do que for. Minha motivação para não parar é a mesma que me faz escrever aqui: compartilhar, sejam pesamentos, notícias, momentos, textos variados, etc. Agradecimentos especiais à minha família, amigos e todos aqueles que sempre me motivaram, bem como ao Gabriel, redator e amigo com quem sei que posso contar. E um grandíssimo obrigado aos nossos parceiros: Gnomo de Jardim, Labirinto Silencioso, Pensamentos de um Chinês, Rock-Plast, Starkzoon e Think About It, por quererem se juntar a nós e nos dar um certo sentimento de importância ;)

Mas não pensem que isto é tudo: algumas mudanças estão por vir, e entre elas está o novo design do Bar Obi-Wan! Pretendo colocar uma interface melhorada, com novas opções e um plano de fundo, mas para isso, preciso da opinião de vocês. Por isso, está aberta uma enquete a respeito deste assunto onde todos poderão responder. Afinal, o feedback de vocês é muito importante.

E para finalizar, curtam este som (até faz um pouco de sentido ele estar aqui):


FELIZ ANIVERSÁRIO, BAR OBI-WAN!!! \o/ \o/ \o/

E, novamente, esta imagem encerra um post meu... :')

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Novidades de LEGO Harry Potter: Years 5-7, Mass Effect 3 e Ultimate Marvel vs. Capcom 3


Nessa semana, tivemos alguns detalhes novos sobre os três futuros games do título da postagem. Sem enrolar (porque eu estou sem saco pra isso hoje), vamos a elas:

- "LEGO Harry Potter: Years 5-7" (que será lançado no dia 18 de novembro para X360, PS3, Wii, NDS, 3DS, PSP e PC) teve seu primeiro trailer divulgado na rede. Nele, podemos conferir algumas recriações de cenas marcantes da saga do jovem bruxo, o que já é de praxe, bem como ação entre os bloquinhos e muito humor. Confira abaixo:


- "Mass Effect 3" (cujo lançamento agora é em 6 de março de 2012 para X360, PS3 e PC) teve grande repercussão nos últimos dias graças a uma notícia que todos torciam que se concretizasse: o anúncio do aguardado Multiplayer Online. Minhas experiências com o primeiro game da série não corresponderam às minhas expectativas (já que sempre falaram tão bem dele e de sua sequência), mas este terceiro talvez possa me surpreender. Abaixo, um vídeo explicando mais sobre o novo modo cooperativo:


- "Ultimate Marvel vs. Capcom 3" (marcado para X360 e PS3 no dia 15 de novembro) ganhou 2 vídeos sobre seus novos personagens. O primeiro deles mostra o aguardado Phoenix Wright, dos games "Ace Attorney" para NDS, enquanto o outro é focado em Nova, dos quadrinhos da Marvel. Ambos servem como um tipo de introdução e mostram uma boa variedade de golpes, combos e especiais. Assista-os:





That's all, folks. Qualquer novidade, já sabem, né? ...Ah! Não se esqueçam de entrar amanhã no Bar Obi-Wan :)

Vai ser muito épico jogar com ele... Golpes mais WTF ever!

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Veja primeiro poster de Star Wars: Episódio I - A Ameaça Fantasma em 3D


Eu sempre digo que Star Wars é uma verdadeira mina de ouro, e a prova está logo acima: titio George Lucas pretende relançar TODA a saga em 3D (isso porque acabaram de lançar os Blu-Rays...). E apesar de este ser o filme que menos gosto, pretendo assistir, com toda certeza (mesmo que seja pagar pra dormir no cinema, mas enfim) :D

"Star Wars: Episódio I - A Ameaça Fantasma 3D" estréia mundialmente no dia 10 de fevereiro de 2012. E sim, a postagem é só isso mesmo.

Assista ao trailer de Os Vingadores!


2012 será um ano extremamente promissor para os filmes baseados em HQs. Além dos já postados "Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge" e "O Espetacular Homem-Aranha", teremos outro longa muitíssimo aguardado e empolgante: "Os Vingadores". Para quem não conhece, eles são uma equipe de heróis da Marvel que reune o Homem de Ferro, Thor, Capitão América, Hulk, Viúva Negra, Gavião Arqueiro e Nick Fury (não, os últimos filmes deles não foram a toa) e que tem que enfrentar ameaças vindas de seus universos, como o Caveira Vermelha, Loki e afins.

Alguns rumores já vinham circulando na internet sobre o lançamento do novo trailer, mas nenhum parecia ser de fato real. Até que, nesta terça-feira, a Marvel resolveu soltá-lo na rede. E, francamente falando, está surpreendente, com a maior parte dos personagens já apresentados, um breve trecho da trama, o novo Hulk de Mark Ruffalo, e, é claro, muita ação e explosões, assim como o sarcasmo de Tony Stark. Pra mim está imperdível, e os recomendaria ver agora. Mas pouparei o trabalho de vocês, e, portanto, é só conferir logo abaixo:

"Os Vingadores" estréia mundialmente no dia 4 de maio de 2012, com a direção de Joss Whedon. Bom ficar de olho nesse, bem como em todos os outros, hehe.

Imagem aleatória, pois não achei uma melhor... Mas o filme será bom, trust me.

sábado, 8 de outubro de 2011

Trailer da nova temporada de Beavis and Butt-Head!


Eles estão de volta! A dupla mais imbecil, estúpida, idiota, babaca, retardada, cômica e Rock n' Roll da história da televisão retorna às telinhas após quase 14 anos praticamente esquecidos. "Beavis and Butt-Head" receberão novos episódios, como anunciado no início deste ano, e já estão prontos para chutar o pau da barraca e esculhambar com os programas de TV e clípes atuais mais uma vez. Além, é claro, de relembrar os bons tempos, onde a música tinha mais qualidade (vide as camisetas do AC/DC e do Metallica que usam, he) e seus vídeos, apesar, também eram ridículos.

E para animar os antigos fãs e tentar angariar novos, a MTV já começou a divulgação do novo material. Ontem, foi liberado o primeiro trailer da temporada, que mostra exatamente tudo o que citei acima: muita merd*, situações totalmente idiotas, piadas infames e zoação total com programas como "Pregnant at 16" e clípes musicais recentes. Até bate uma saudade. Confira aqui:


E, para quem ainda não viu, um trecho do primeiro episódio da vindoura temporada:


"Beavis and Butt-Head" retornam à MTV no dia 27 de outubro nos EUA, com a exibição de "The Holy Cornholio". Ainda não há data prevista aqui no Brasil :(

Esse vai ser um encontro ÉPICO.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

BATMAN! Novidades sobre a animação "Ano Um" e o jogo "Arkham City" [ATUALIZADO]


Outubro é o mês do Morcegão. Ponto. Além de ser o mês marcado para o lançamento do extremamente aguardado game (especialmente por mim) "Batman: Arkham City", também é o que sairá a também aguardada animação "Batman: Ano Um", que adaptará a minissérie em quadrinhos com o mesmo nome. E, para melhorar, será tudo no mesmo dia, 18 (OVERDOSE DE BÁTIMA). Novos detalhes vem aparecendo na internet a cada instante, e eu, como o bom fã que sou), não posso deixar passar nenhum deles aqui! Por isso, chega de enrolação e vamos ao que interessa. CADÊ AS IBAGENS

A primeira novidade é que um novo clipe de "Ano Um" foi lançado na rede, com o intuito de divulgar o DVD/Blu Ray/download pago. Nela, é recriada um dos momentos mais emocionantes da história original: quando o herói é cercado por centenas de policiais de Gotham City em um edifício abandonado. A sequência ficou excelente, totalmente fiel a da HQ. Além disso, ficou um pouco mais nítida e fácil de se compreender. Assista-a:


Quanto a "Arkham City", temos dois vídeos novos. Um deles é um trailer de divulgação do game, que sairá para X360/PS3/PC/Wii U, dizendo algumas coisas que todos já sabíamos, como, por exemplo, que é o jogo do ano, merece 10/10, um dos melhores já feitos em todos os tempos, etc. O outro, por sua vez, nos mostra diversos detalhes da jogabilidade, explica parte da história, fala sobre o desenvolvimento, o trabalho após "Arkham Asylum" e tudo mais. Mas a grande sacada é que ele nos revela três novos vilões que estarão presentes na trama: o Chapeleiro Louco, o Homem Calendário e a Hera Venenosa (que retorna para esta sequência). Veja-os logo abaixo.



E ainda, estão rolando pela internet algumas supostas imagens do Asa Noturna, também conhecido como Dick Grayson ou "primeiro Robin". O grande problema é que não existe ainda uma confirmação oficial sobre elas, e há o detalhe de que elas saíram de um fan-fórum português. Mas caso ocorra a oficialização pela Warner e a Rocksteady, postarei aqui mesmo para vocês...

[ATUALIZAÇÃO 13/10] O Rocksteady confirmou o Asa Noturna como novo personagem do game que, assim como o Robin, virá como DLC. Infelizmente só estará disponível para o Challenge mode, mas trará 2 mapas exclusivos e uma outfit alternativa baseada na série animada do Homem-Morcego. Confira algumas imagens dele:




Enfim, estava esperando o momento certo para jogar novamente "Batman: Arkham Asylum". Não vejo outro melhor a não ser este :D

A Mulher Gato, que tem papéis importantes tanto na animação quanto no futuro game.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Anotações - Nº 18: Relax...

Havia muito tempo que não escrevia uma Anotação. A última vez que a fiz foi no começo das minhas férias de julho, exatamente 3 meses atrás. Não sei se foi por falta de interesse ou idéias, mas simplesmente não senti necessidade em escrevê-las. Foi um período onde deixei minhas emoções um pouco de lado por algum motivo que desconheço, mas desde o começo de setembro e, em especial, nas duas últimas semanas, tenho me sentido mais vivo e humano. Os bons momentos voltaram, acredito.

Mas nem tudo são flores, assim como não é na vida de ninguém. De um certo tempo para cá, algumas pessoas tem me falado que estou nervoso, irritado, estressado, mal-humorado. E, pensando bem, talvez eu esteja mesmo. Minha paciência tem estado curta, minhas respostas tem sido agressivas, meu sarcasmo nunca esteve tão afiado, qualquer coisinha mínima tem me tirado do sério profundamente. Justamente eu, conhecido pela minha tranquilidade e paciência em relação às situações mais desesperadores para uma pessoa normal.

Talvez seja por causa da escola, talvez pelos eventos recentes, por estar na adolescência, por noites mal-dormidas... Mas de uma coisa eu tenho certeza: não é pela colaboração humana. As vezes ocorrem situações que são inexplicáveis, coisa pra me tirar do sério MESMO, e ultimamente isso tem sido mais frequente. Parece um complô para me ver irritado, porque tá ficando tenso. Muito provavelmente uma combinação de todos os fatores listados acima (e mais alguns outros) tenha me deixado nesse estado. Só espero não enlouquecer, hehe.

Preciso me acalmar, certamente. Ouvir Pink Floyd com mais frequência é um ótimo começo, bem como ter um pouco mais de tempo para lazer. Mas também seria ótimo se as pessoas colaborassem, entendessem o que me me irrita, se colocassem no meu lugar, pelo menos um pouco. Ou então me abordassem nos momentos certos, quando eu estou visivelmente mais calmo, alegre ou pouco atarefado. Sabe, não é legal notar que alguém não está em seu melhor momento (como acontece com qualquer um que tenha um coração em seu peito) e mesmo assim ir lá e tratá-la da mesma maneira de quanto tudo está bem e descontraído.

Depois eu xingo ou falo algumas verdades e sou chamado de nervoso, estressado, mal-humorado, grosso e afins. Como se todos fossem santos e não estivessem fazendo nada de errado. É...

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Two and a Half Men com Ashton Kutcher: merece uma chance?


Estou aqui hoje, último dia de setembro, para fazer um texto num estilo que há tempos não fazia: algo mais voltado para uma análise, com um pouco de crítica pessoal. É algo que está em falta aqui no blog, que, convenhamos, recentemente está mais voltado para notícias do que textos, críticas e tudo mais. Mas prometo voltar a escrevê-los mais regularmente, pois sei que existem leitores que os apreciam :)

Mas não é sobre minha falta de compromisso com o Bar que quero falar aqui, e sim sobre um assunto que causou polêmica nos últimos meses: MAMILOS a nova temporada do seriado "Two and a Half Men". Tudo começou no começo deste ano, quando Charlie Sheen, que interpretava o icônico personagem Charlie Harper, aprontou algumas loucuras; saiu em viagem com sua ex-mulher, a mulher atual e a amante (!!!); brigou feio com o produtor, Chuck Lorre; e acabou sendo demitido da série, que teve sua 8ª temporada encerrada no meio. Assim, saíram em busca de um novo ator para substituí-lo.

E encontraram: Ashton Kutcher, que competiu com nomes como Hugh Grant. Porém, essa escolha não agradou a todos, ao menos não de primeira (eu fui um desses, mas falei que esperaria para ver), e, ao mesmo tempo, despertou a curiosidade dos fãs. Conforme o novo material foi sendo divulgado, novas dúvidas surgiram, especialmente quando anunciaram que Kutcher não interpretaria Charlie Harper, e sim um novo personagem chamado Walden Schmidt. Até que 9ª temporada estreou, as dúvidas foram respondidas, Walden foi introduzido, dois episódios já foram exibidos, e finalmente posso opinar (eu acho).

Tudo começa com fim ao personagem de Sheen, e ele é definitivo, convincente e "tragicômico" (sim, Charlie morre na série). Schmidt é introduzido ao público lá pelo meio do primeiro episódio, como um bilhonário bonitão, mas emocionalmente instável,e que acabou de brigar com sua esposa. Ele aparece do nada na varanda do apartamento ao tentr se afogar no mar (!) e Alan, após uma conversa, o convence a saírem, tomrem uns drinks e conhecerem umas garotas. E a partir desse momento, Walden se mostra uma mistura entre os irmãos Harper: bobão, mas mulherengo quando necessário. E seu lado mais atrapalhado e infantil é bem explorado no segundo episódio, onde eles se metem em confusões desnecessárias e somos apresentados à mulher do novo personagem, Bridget (interpretada por Judy Greer, que já apareceu antes na série como a irmã de Herb). Ela deverá aparecer mais vezes no decorrer da temporada.

É um início bem interessante, como se uma nova história estivesse sendo construída (o que não deixa de ser verdade) e ela vai tomando rumos inesperados e cômicos. Apesar de a maior parte do elenco já fazer parte do seriado desde o início, o grande destaque mesmo vai para Ashton Kutcher, que se mostrou bem engraçado nesses dois primeiros episódios e, ao que me parece, pode substituir Charlie Sheen sim. Porém, claro, do seu próprio jeito e com seu próprio personagem. Tudo depende também de como esta 9ª temporada se desenvolverá, mas, pelo que foi apresentado até agora, há muito potencial para surpreender os fãs.

Respondendo a pergunta do título: sim, merece.

PS: se não viu ainda a nova abertura da temporada, assista-a abaixo:


- Hey, minhas roupas estão encharcadas, pode me emprestar algumas?
- Bitch, please.

[BIG TWO] Novas músicas do Megadeth e do Metallica!


THRASH METAL, BABY! Nas últimas duas semanas as duas maiores bandas representantes dessa vertente soltaram novas músicas de seus futuros lançamentos. Eu, grande apreciador do gênero e fã de ambas as bandas (coisa rara de ocorrer, muitos fãs de Metallica odeiam Megadeth e vice-versa, por motivos históricos), não podia deixar isso passar despercebido. Por isso vamos conhecê-las.

"Never Dead" é a nova canção do Megadeth, que virá incluída no álbum "TH1RT3EN", o décimo terceiro álbum da banda (O RLY?). Ela é pesada, agressiva, com ótimos arranjos, solos rápidos, uum tanto marcante, bem ao estilo "Megadeth de ser". Ouça ela abaixo:


Por fim, a polêmica música do Metallica em parceria com Lou Reed, do Velvet Underground, "The View". Grande parte dos fãs que a ouviram simplesmente não gostaram da composição, que estará no disco "Lulu", sendo que é umas das músicas da banda com mais "thumbs down" no Youtube. Mas há uma explicação para isso: o ritmo totalmente quebrado do novo som e os vocais de Reed, que não agradaram a muitos. Em minha opinião, não está ruim como todos comentam, apenas diferente. Mas ai cabe a cada um decidir, por isso ouçam e tirem suas próprias conclusões:


"TH1RT3EN" será lançado no dia 1 de novembro, enquanto "Lulu" sairá em 31 de outubro. Pretendo ouvir ambos, mas tenho maiores expectativas para o álbum do Megadeth :)

PS: "I am the table".

A (bizarra) capa de "Lulu".